/ Política

Governo abre mão de ter Petrobras como única operadora do pré-sal

24/02/2016 21h39

O governo abriu mão de manter a Petrobras como operadora única do pré-sal. Para aprovar o projeto no Senado que retira a obrigatoriedade da estatal de participar de todos os consórcios com 30%, o Planalto acordou com o senador Romero Jucá (PMDB-RR) um texto que agrade a todos.

Sem ver possibilidade de derrubar a proposta em votação nesta quarta-feira (24), o Planalto já não conta mais com a obrigatoriedade, mas tenta garantir que a decisão final fique nas mãos da presidente Dilma Rousseff.

O texto que será encaminhado no Senado estabelece que a Petrobras deverá se manifestar sobre sua preferência como operadora dos campos que serão licitados e essa manifestação será avaliada pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE). A palavra final do CNPE é sempre da Presidência da República.

No Senado, parte da bancada petista mais radical não gostou e deve continuar se posicionando de forma contrária a qualquer proposta que mexa na legislação de exploração do pré-sal.

No entanto, o governo avalia que não conseguirá votos suficientes para barrar o projeto de autoria do senador José Serra (PSDB-SP).

Durante o dia, os ministros Jaques Wagner (Casa Civil) e Ricardo Berzoini (Secretaria Geral) tentaram mobilizar petistas da casa para barrarem o projeto. Receberam ao longo do dia os senadores Lindberg Farias (PT-RJ) e Vanessa Grazziotin (PT-AM).

No entanto, ao contabilizar que estava perdida a batalha, trocaram a estratégia e agora tentam garantir o poder decisório a Dilma. 

Por João Thiago


Ver todas

Veja Também